O Que Esperar: Supergirl

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Supergirl é leve, divertida e serve bem para entreter.

Supergirl2.0

O episódio piloto apresenta a série em ritmo acelerado e atropela muitas coisas para tentar convencer o público que a heroína não é somente a prima do Superman, por mais que isso não seja esquecido. Não tem como escapar da referência ao icônico Superman, ele aparece como uma sombra, é citado em vários momentos e inclusive manda um presente para a Kara.

Em seu primeiro episódio já vemos a protagonista abandonar a vida de pessoa comum para se transformar em heroína, tudo acontecendo rapidamente, ela aparece na TV, utiliza três uniformes diferentes, conhece uma agência secreta e ainda enfrenta um vilão. Levando em conta que a série geralmente tem 23 episódios, esse episódio acabou “queimando” muitas coisas que poderiam ser utilizadas mais pra frente. Os vilões apareceram rapidamente para dar um oi, mas ainda precisam ser melhor explicados, eles vieram da Zona Fantasma, mas isso ainda será mais explorado na série.

O elenco de apoio da série é bom, Winn aparece como um amigo e possível interesse amoroso. A chefe da Kara, Cat Grant surge no melhor estilo Miranda Priestly (O Diabo Veste Prada).  James “Jimmy” Olsen parece conhecer tudo sobre a protagonista mesmo acabando de chegar na cidade e já deixa claro que conhece o primo mais famoso dela, provavelmente atuará como mentor dela ajudando a entender melhor os poderes, e por fim a irmã de Kara, Alex Danvers que acaba sendo salva pela irmã e surpreende ao se revelar uma agente do Departamento de Operações Extra-Normais (DEO), que serve para lidar com pessoas como a Kara.

Melissa Benoist, a protagonista da série, parece que encaixou bem com a proposta da personagem que é algo mais leve, aliás a série toda é mais leve, se aproximando muito mais de The Flash, do que Arrow e o realismo sombrio de Nolan. A personagem é humana, desastrada, naturalmente engraçada e é jovem, como gosto muito do Barry Allen (Flash), e ela se aproxima do jeito dele, adorei a personagem.

Grant Gustin (The Flash), Greg Berlanti (produtor das séries The Flash e Supergirl) e Melissa Benoist (Supergirl)

Grant Gustin (The Flash), Greg Berlanti (produtor das séries The Flash e Supergirl) e Melissa Benoist (Supergirl)

O público-alvo da série são os adolescentes-jovens, porque a série transpira essa ideia o tempo todo. Mas o mais importante aqui é uma super-heroína ganhando uma série própria, no começo ainda não deu pra ver como eles vão usar a ideia da mulher protagonista, mas como é uma discussão que está muito em voga na sociedade espera-se que eles toquem mais no assunto. Não dá para exigir muito intelectualmente da série, ela servirá muito mais pra entreter do que para mudar sua visão de mundo, talvez as ideias feministas nem fiquem tão claras, mas é uma mulher sendo protagonista de uma série baseada em quadrinhos, a primeira da DC, e pode abrir as portas para muitas outras.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×